Assim que a TV Globo divulgou que a novela Verdades Secretas (2015) teria uma continuação exclusiva para o streaming Globoplay, o publico jovem de consumidor de novelas se dividiu nas redes sociais: uns já previam que seria uma novela de qualidade duvidosa, e outros apostavam alto na nova trama de Walcyr Carrasco. O fato é que a primeira novela brasileira feita para streaming já está entre nós: Verdades Secretas II (2021) é uma realidade.

Criada e escrita por Walcyr Carrasco e com direção artística de Amora Mautner, a nova história se passa anos após os acontecimentos da novela original. Após um acidente de carro matar seu marido, Gui (Gabriel Leone), Angel (Camila Queiroz) volta a São Paulo sem direito a herança e com um filho doente. Para pagar suas contas e o tratamento de leucemia do menino, ela decide voltar às passarelas do mundo da moda e ao polêmico “Book Rosa” das agencias de modelo. Enquanto isso, Giovanna (Agatha Moreira) está disposta a vingar a morte de seu pai e contrata o detetive particular Cristiano (Rômulo Estrela) para investigar o crime cometido por Letinha e provar que sua ex-amiga é uma assassina.

VS2 2.jpg

São poucos os casos de novelas brasileiras que tem uma continuação e poucos ainda que seguem a mesma qualidade da novela original. Walcyr Carrasco continua como autor principal, mas a equipe de colaboradores mudou e a direção também. E este é o ponto que mais diferencia a exitosa novela de 2015 e esta: sai Mauro Mendonça Filho, diretor de produções como Força de um Desejo (1999), Gabriela (2012), Dupla Identidade (2014) e O Outro Lado do Paraíso (2017) e entra Amora Mautner, diretora de novelas como Cordel Encantado (2011), Avenida Brasil (2012), A Regra do Jogo (2015) e A Dona do Pedaço (2019). A diferença de direção entre as duas novelas é gritante: enquanto em 2015 as sutilezas se destacam e equilibram o texto nada sutil de Carrasco, em 2021, o neon gritante e vermelho escancara breguice e qualquer tipo de sutileza é deixado para trás. Amora usa luz neon em quase todas as cenas em ambientes de pouca iluminação, como no cenário da casa noturna de Ariel (Sergio Guizé), em elevadores e quartos. O filtro vermelho, que acompanha todas as cenas da novela, não incomoda e, pela primeira vez em produções da diretora desde 2011, o filtro não deixa as cenas escuras e incompreensíveis no vídeo. Há aqui a presença da famosa “caixa cênica”, recurso criado por Mautner em A Regra do Jogo (2015) que consiste em uma câmera oculta no cenário para captar os atores sem que eles saibam e criar uma atmosfera mais “realista” em cena, recurso este que não agrega muito nas sequências.

VS2 3.jpg

O que mais incomoda é a ausência de externas. Por causa da pandemia, a direção de teledramaturgia da TV Globo decidiu diminuir o numero de externas e concentrar as gravações em estúdio, o que deixa a novela com uma sensação de claustrofobia. Vemos poucos cenários externos nestes 10 primeiros capítulos, em sua maioria as cenas que se passam em Taubaté, cenas gravadas em terraços de edifícios e as transições de cena entre os prédios da cidade de São Paulo, conceito que enjoa com o passar dos capítulos e que compõe a abertura (que mais parece uma apresentação de PowerPoint).

VS2 4.jpg

Quanto ao texto, Walcyr entrega o de sempre: didatismo, repetição de termos, falta de sutilezas, diálogos grotescos e situações inverossímeis. O autor repete e explica o plot da vingança de Giovanna contra Angel e os passos da investigação em várias cenas e situações durante esta primeira parte. Também é difícil comprar que a bala utilizada no crime e as manchas do sangue de Alex (Rodrigo Lombardi) ainda estejam na lancha depois de quase 6 anos do assassinato e difícil engolir que uma mulher adulta, de aproximadamente 30 anos, utilize remédios para emagrecer sem prescrição medica, acreditando apenas na palavra de uma mulher desconhecida.

Apesar destes problemas, Walcyr entrega entretenimento fácil com bons ganchos e plots que engajam o espectador a querer ver mais. Mesmo com algumas conveniências e um pouco de barriga, o plot principal prende, mas se esgota muito fácil ao longo destes 10 capítulos e se torna vazio por causa das decisões precipitadas do autor. A investigação do crime volta ao estado inicial após Cristiano destruir uma prova importante por estar perdidamente apaixonado por Angel, por exemplo. Os paralelos pouco entregaram até o momento, mas prometem, ao menos, intrigar pelo choque. Destaque para os promissores núcleos de Percy (Gabriel Braga Nunes), empresário cliente de Angel e praticante de BDSM, e de Betty (Deborah Evelyn), mulher casada que busca uma relação fixa com garotos de programa. O melhor núcleo, até agora, é o protagonizado por Maria Luísa Mendonça: Araídes, papel da atriz, sofre violência domestica por ter traído o marido, Nicolau (Júlio Machado), com o pai de Gui. Ele a bate constantemente e odeia a filha dela, Lara (Júlia Byrro), símbolo da traição. O pior paralelo, sem dúvidas, é o de Laila (Erika Januza), modelo que toma remédios de procedência duvidosa para emagrecer por indicação de Blanche (Maria de Medeiros). Erika está excelente no papel, mas o plot parece ir por caminhos que levam ao desserviço por tratar de anorexia de forma rasa e um pouco torta. É um núcleo a se prestar atenção. As cenas de sexo, tão alardeadas pelo marketing, até agora são pequenas: a maioria se trata apenas de uma sugestão e o público vê pouco da ação. Algumas, inclusive, são introduzidas por uma espécie de “dança conceitual” coreografada, que deixa a sequência ridícula e constrangedora.

VS2 5.jpg

Mesmo com questões, Verdades Secretas II é uma ótima farofa para ver sem pensar em nada. A primeira parte introduz bem a história que Carrasco quer contar, e deixa o espectador esperando por mais. É uma novela que entretém o publico de forma fácil, e principalmente, sem o compromisso de fazê-lo refletir. Boa para ver sem esperar muita novidade técnica ou artística, ou assuntos que tragam relevância para a sociedade. Uma novela para se divertir com alguns absurdos, questionar alguns desserviços e rir de alguns constrangimentos. Estamos ansiosos para mais desventuras de Angel, Giovanna, Visky e Cia.

O próximo bloco de capítulos estreia em 03 de novembro.

Veja mais: Críticas Novelas

Renan Oliveira

Renan Oliveira

@renan_costaz

Pesquisador, divulgador e amante da televisão e da teledramaturgia brasileira.

ver perfil